(Re)searching in Tampere/ A procurar em Tampere

My name is Pedro Silva, from Leiria, Portugal. I am an electrical and computer engineer currently employed as a researcher in Tampere University of Technology where I am also pursuing my PhD.

There are many reasons why I moved to Tampere in 2013, one of them being the fantastic winter. I invite you to read more it at my Tampere - All bright! Ambassador profile and consider joining the network if you share the same love for this wonderful city.

(Re)searching in Tampere

Three years ago, I was sitting at my desk in Lisbon looking at the webpage of an European project, MULTI-POS. Financed by Marie Curie Actions, the project would start during the next fall, involving more than 40 people in total, from several universities and companies.

Fresh out of university, but with a somewhat interesting and compatible profile, I sent my application to a few of the available positions. I was quite optimistic for one of them, since it involved the company with whom I was doing my master thesis. However, I had little interest in moving to Spain or staying in Portugal. My goal was, since 2010, to move abroad and my aim was set towards the Nordic countries.

This desire had been with me after a trip to Sweden, where I was enjoying riding a bike in early February. I simply loved the experience of being surrounded by snow and from time to time throw a snowball at my friends. For that reason, I was really excited when I found that there were a couple of positions in Sweden and Finland. One of them caught my attention from the beginning. It was titled as signals of opportunity and the employment would be done through Tampere University of Technology (TUT). Besides, it would involve a research visit to the UK (another favourite of mine) and collaboration with a local company.

Although, I had some hopes for the positions related to global navigation satellite systems (GNSS), such as GPS, little did I know about indoor environments, where the signals of opportunity, for example, those meant for communication, would come in. Basically, GPS signals are difficult to acquire inside buildings due to the attenuation caused by the walls. Therefore, one of the options is to rely on other sources, such as Wi-Fi. While it is not the ultimate solution, it works well enough and paves the way for future applications in the field of, for example, healthcare, autonomous vehicles, robots, crisis management, among many more.

I was quite excited when I got a reply from the project and got offered to chose between three positions, Spain, Netherlands and Finland. It did not take me long to reply,

“I will be going to Tampere”.

I was thrilled!

To be honest, at that moment, I knew nothing about Tampere and only a couple of facts about Finland. In fact, one of them being the amazing candy (Marianne) made in Finland, that I got to try back in 2010 at a University fair. In other words, I was pretty much clueless on what I was waking into.

Today, looking back, I would never had thought that I would be walking and skating over a frozen lake; diving in it after a warm sauna session; enjoying dawn at midnight; bumping everywhere into people from all around the world; seeing the sky dance above me (Aurora); learn a vintage dance from the twenties; spend 0 minutes stuck in traffic (for reference, in Lisbon it was common to get stuck in a traffic jam for more than one hour at 4 AM).

This is Tampere

 

All of this is just a nutshell of amazing things I have experienced in Tampere. I can simply say, after arriving and settling down, I don’t stop being amazed by the city. Especially when it only takes me 5 minutes to walk down the street and find something new, engaging and fun to do. In a way, it is just like when I tried the Marianne candy back in 2010. Looks and tastes like a regular candy, but soon you get surprised and amased by it.

For those who see value in these things, they will find in Tampere a thriving environment to live in, full of activities, events and engaging people from all around the world. It is simply amazing the number of opportunities you get to learn more about other countries by simply walking down the road. In my case, I get that every day at TUT, where I can easily meet someone from, Irak, Pakistan, India, China, Czech Republic, Italy and get to know more about their culture, customs and how different it is to grow up in their culture. I simply love how easy it is to get in touch with so many cultures, by simply walking down the corridor.

Indeed, for such a young university, 50 years celebrated this year, TUT has attained a good reputation overseas, contributing to the attraction of foreign talent and investment. The research done in the field of positioning, carried out by joint work between professors and researchers of the Electronics and Communications Engineering Department, Mathematics Department and Automation Department has certainly contributed its fair share to the recognition of TUT overseas. This group of people has collaborate in Finland with several organisations, such as, Atheros Communications, Elektrobit, Fastrax, HERE/Nokia, Kalmar Industries, Patria Aviation, Space Systems Finland, Finnish Geodetic Institute and VTI Technologies. Its merits have also secured participation in several EU projects, such as GREAT (Galileo receivers for mass market applications) and the ongoing MULTI-POS Marie Curie initial training network (coordinated by TUT). All of this wouldn’t have been possible without tapping into the local (and international) resource of students.

When it comes to undergraduate and graduate students, Finland offers an excellent environment that can not be found in many countries. There is a continuous investment and concern in improving the quality of facilities, equipment and support services for them. All of this is complemented by an informal environment, allowing the students to reach and chat with the professors and researchers. Since we are in Finland, you shouldn’t be surprised if you end up sharing a sauna session with a couple of senior professors. While it might be an awkward situation, it will remind you that we are all members of the same society, no matter your stature in it. For me that was a big change from Portugal, where you feel the weight of hierarchy upon you.

More specifically towards PhD students, TUT and Finland offer great opportunities for those that want to embark in such adventure. While the economic situation might be putting a few constraints in the government funding, TUT has shown success in acquiring additional sources of funding and with the pool of talent in it, the future is certainly not that gray.

In the end, while having travelled a bit throughout the world, I can not find such a fantastic and unique place as home, Tampere.

A procurar em Tampere

Três anos atrás estava sentado na minha secretária a olhar para a página de um projecto Europeu, MULTI-POS. O projecto, financiado pelas acções Marie Curie, iria começar durante o próximo Outono, envolvendo, no total, mais de 40 pessoas de diferentes universidades e empresas.

Com um canudo recente, mas com um perfil compatível e um quanto interessante, decidi enviar a minha candidatura para algumas das posições disponíveis. Estava um pouco confiante para uma delas, dado que envolvia a empresa para a qual estava a fazer o meu mestrado. Porém, tinha pouco interesse em ir para Espanha ou ficar em Portugal. Os países nórdicos eram o meu alvo preferido para emigrar.

Este desejo de ir para o norte da Europa, começou em 2010 depois de uma curta viagem pela Suécia. A presença de neve tornou a experiência inesquecível, não só pelas viagens de bicicleta, mas também pela possibilidade de arremessar uma bola de neve aos amigos, de tempos a tempos. Por causa desta experiência, fiquei radiante ao descobrir que no projecto existiam algumas posições na Suécia e Finlândia. A que mais me captou a atenção estava sediada em Tampere na Tampere University of Technology, com o objetivo de estudar sinais de oportunidade. Para além disso, também envolvia uma pequena estadia pelo Reino Unido e colaboração com uma empresa local.

Embora tivesse algumas esperaças relativamente às posições relacionadas com os sistemas de posicionamiento global (GNSS), pouco ou nada sabia sobre ambientes indoor onde os sinais de oportunidade têm um papel importante. Nestes ambientes, paredes e outros obstáculos impedem a recepção de sinais GPS, pelo que uma das soluções é procurar outro tipo de sinais que sejam abundantes nestes meios, por exemplo, Wi-Fi. Apesar de não ser uma solução ideal, funciona bem para as necessidades actuais e para ajudar a marcar o caminho para o futuro, em diversas aplicações no campo da medicina, veículos autónomos, robôts, gestão de crise, entre outras.

Quando recebi uma uma resposta do projecto, fiquei deslumbrado ao descobrir que me estava a ser oferecida a hipótese de escolher entre três posições em Espanha, Holanda e Finlândia. Não demorei muito a responder,

“Vou para Tampere”.

Estava extremamente entusiasmado!

Sinceramente, nesse momento sabia pouco ou nada sobre Tampere e apenas alguns factos gerais sobre a Finlândia. Um deles, o facto de fabricarem doces surpreendentes, como o Marianne que provei em 2010 numa feira de universidades. Por outras palavras, não fazia idea daquilo em que me estava a meter.

Hoje, olhando para trás, jamais imaginava que iria andar e patinar sobre um lago gelado; mergulhar num depois de uma sessão de saunda; disfrutar do amanhecer à meia noite; encontrar pessoas de todo o Mundo por toda a cidade; ver o céu a dançar sobre mim (Aurora); aprender uma dança dos anos vinte; desperdiçar 0 minutos em filas de trânsito (para referência, em Lisboa era comum ficar preso numa fila de trânsito às 4 da manhã por mais de uma hora).

Tudo isto, uma pequena amostra das coisas incríveis que tenho tido oportunidade de viver em Tampere, uma cidade que não pára de me surpreender todos os dias. Especialmente quando me leva apenas 5 minutos para descer a rua e encontrar algo de novo e excitante para fazer. De certa forma, é tal e qual como o rebuçado Marianne que experimentei em 2010. À primeira vista parece e sabe como outro rebuçado qualquer, mas em poucos minutos ficamos surpreendido e maravilhados com ele.

Para aqueles que vêm valor nestas actividades, vão encontrar em Tampere um ambiente próspero onde viver, cheio de atividades, eventos e pessoas interessantes de todos os cantos do Mundo. É simplesmente impressionante o número de oportunidades que se tem para aprender mais sobre outros países com uma simples caminhada na rua. Para mim, isto acontece todos os dias no meu trabalho na TUT, onde facilmente encontro pessoas do Iraque, Paquistão, Índia, China, Repúlbica Checa, Itália com quem posso aprender mais sobre as suas tradições, cultura e o quão diferente é crescer nos seus países. Adoro a facilidade de andar pelos corredores e poder entrar em contacto com tantas culturas diferentes da minha.

Sem sombra de dúvida, para uma universidade tão nova como a TUT, 50 anos celebrados este ano, esta atingiu uma boa reputação no exterior, o que contribuiu para a atracção de talento e investimento estrangeiro. A investigação feita na área de posicionamento, realizada através do trabalho conjunto de vários professores e investigadores de vários departamentos, como o departamento de electrónica e comunicações, matemática e automação tem certamente contribuido a sua quota parte para este reconhecimento. Dentro da Finlândia, este grupo de pessoas tem colaborado com diversas organizações, tais como, Atheros Communications, Elektrobit, Fastrax, HERE/Nokia, Kalmar Industries, Patria Aviation, Space Systems Finland, Finnish Geodetic Institute, VTI Technologies. Os seus méritos também proporcionaram a participação em vários projectos Europes, tais como, GREAT (receptores Galileo para aplicações de mercados de grande dimensão) e MULTI-POS rede inicial de treino Marie Curie (coordenada pela TUT). Tudo isto não teria sido possível sem usufruir do recurso local (e internacional) de estudantes.

No que diz respeito a estudos para não graduados e graduados, a Finlândia oferece um ambiente excelente que é difícil encontrar em outros países. Aqui há um investimento e preocupação contínua na melhoria da qualidade das infraestruturas, equipamentos e serviços de ajuda para eles. Tudo isto, rodeado de um ambiente informal que permite aos alunos entrar facilmente em contacto com os professores e investigadores. Uma vez que estamos na Finlândia, é provável que venhas a partilhar uma sessão de sauna com alguns deles. Embora seja uma situação caricata, ajuda a reavivar o facto que somos todos membros da mesma sociedade, independentemente da nossa posição nela. Para mim, isto foi uma mudança muito grande relativamente a Portugal, onde sentimos o peso brutal da hierarquia sobre os ombros.

Especificamente para os alunos graduados, a TUT e a Finlândia oferecem excelentes oportunidades para aqueles que desejam embarcar em tal aventura. Embora a situação economica esteja a colocar algumas restrições no financiamento público, a TUT tem demonstrado sucesso em adquirir financiamento de outros fundos e com os talentos locais a seu dispor, o futuro não será certamente muito cinzento.

Por fim, embora tenha viajado bastante pelo Mundo fora, ainda não encontrei outro sítio tão único e fantástico como a minha casa, Tampere.

comments powered by Disqus